O desenvolvimento da criança e o endocrinologista

O médico endocrinologista pode acompanhar o desenvolvimento do seu filho.

É de extrema importância que seu filho (a) tenha um acompanhamento médico durante a fase inicial da vida (recém-nascido e criança) e adolescência. São nessas duas fases que podem aparecer distúrbios que poderão ser corrigidos pelo médico endocrinologista, que deve ser médico pediatra atuante na área de Endocrinologia Pediátrica.

Logo quando o bebê nasce (entre 48 e 72 horas de vida), é imprescindível o teste do pezinho, é neste teste que se podem identificar possíveis doenças ligadas a alterações cerebrais, no entanto é importante destacar que se o teste der negativo, não exclui cem por cento uma possível alteração ou distúrbio. Algumas vezes é preciso um teste laboratorial para ter certeza.

Até os 20 anos, a criança e o adolescente passam por diversas transformações hormonais, tanto no crescimento quanto no próprio metabolismo e essas mudanças precisam ser acompanhadas e observadas de perto. É importante prestar atenção nos sinais, desde o comecinho da vida do recém-nascido. O crescimento é um dos distúrbios mais comuns durante a essas fases e por isso deve-se ficar atento aos sinais. Um crescimento normal deve-se levar em conta o padrão genético da criança, se os pais tiverem uma estrutura baixa, o filho possivelmente terá, mas, se os pais forem altos e a criança não estiver desenvolvendo o crescimento adequadamente, aí é imprescindível a experiência do médico para saber o que está acontecendo e quais as medidas que devem ser tomadas diante deste distúrbio.

Outro distúrbio um pouco frequente é a Puberdade Precoce, que deve ocorrer nas meninas entre 8 a 12 anos e nos meninos entre 9 a 14 anos. Quando a puberdade se inicia em meninas a partir dos 6 anos e em meninos a partir dos 7 anos, são consideradas Puberdade Precoce, levando a tratamentos e investigações sobre o caso, pois cada indivíduo tem uma história e uma genética, é preciso estudar cada caso individualmente.

Tem casos em que a puberdade chega muito tarde, ou seja, alguns anos mais tarde do que o esperado. Neste caso a preocupação é menor e na maioria das vezes não precisa de tratamento, pois não há prejuízo na estrutura final do adolescente. Mas é essencial a consulta médica para saber exatamente o que acontece com cada adolescente.